Goiás Interior - A notícia como ela é !
×
Artigo -

Educação, a furada da Nação

Educação, a furada da Nação

Por: Felipe Augusto Sousa  Ramos


Um país tão habilidoso com uma bola no pé, e tão incapaz com um livro na mão, um país que precisa pegar uma calculadora pra resolver qualquer adição.
Como isso pode acontecer em um país grandioso como o Brasil? Temos o melhor clima, as mais belas praias, as mais belas mulheres, e não temos uma educação pública digna. Dizem que o coronelismo acabou, mas ele ainda está dominando nossa nação. “Abutres carniceiros” estão no poder, e nos enchem de ilusões, que estão melhorando nosso país. Mas o que vejo é só mais corrupção e miséria. Dizem que agora serão limpos e melhorarão nossos municípios, Estados e até nosso país. Isto está mesmo acontecendo como o prometido? Como está a saúde do nosso país? A educação? Nossa Liberdade de expressão? Qualidade de profissionalização? Como está nossa segurança? Tudo está como nos prometeram? Pelo que vemos está tudo diferente de como deveria estar.


Porque nosso país é tão bom no futebol e não na educação? Simplesmente porque não se precisa saber ler para jogar futebol. Mas a situação no Brasil está tão crítica que hoje, até para que você se torne um jogador de futebol, tem que usar outros meios.


No Brasil o povo se contenta com bolsas. Isto é algo vergonhoso, porque não exigimos uma melhor educação para que possamos nos formar com qualidade e nos profissionalizarmos e conseguirmos bons empregos? O povo brasileiro está vendado, por “Carniceiros” que com sua politicagem nos iludem que estas bolsas ajudam em algo. Mas eles não mostram que estas bolsas cultivam a miséria, que estas bolsas e estes “projetos” são apenas vendas para nossos olhos. Eles colocam cotas em faculdades insinuando que pessoas com baixa condição financeira, negros e índios são incapazes de passar nas faculdades federais. Porque eles não substituem essas cotas por um ensino público de qualidade? Porque isso não seria viável para eles, pois se as pessoas melhorarem de vida não as  terão mais para que de quatro em quatro anos precisaram dos míseros trocados das compras de voto, que é o que gera toda essa pobreza que faz com que o Brasil esteja nessa situação atualmente.


Felipe Augusto Sousa Ramos, 18 anos, é estudante.

Edições Anteriores
Acesse as edições anteriores do Goiás Interior