Goiás Interior - A notícia como ela é !
×
Goiânia -

Governo garante investimento de R$ 437 milhões a Goiás

Por meio da intermediação do governador Marconi Perillo, cinco empresas de peso do cenário nacional formalizaram, nesta quarta-feira, dia 21, a intenção de instalarem unidades de produção e distribuição em Goiás. Representantes da Coteminas, Dudalina, Bio Scie, Kamal, Farmtrac anunciaram investimento totais de R$ 437 milhões em Goiás e geração de 9.540 empregos no Estado durante solenidade no 10° andar do Palácio Pedro Ludovico Teixeira, em Goiânia. O evento contou com a participação de dezenas de empresários, representantes de entidades econômicas, prefeitos e deputados estaduais.

Com a captação destes investimentos, Marconi encerra o segundo ano deste quarto mandato à frente do Governo de Goiás com 44 protocolos de intenções assinados com empresas de capital nacional e estrangeiro, de médio e grande porte, que estão se instalando no Estado. Todos os investimentos privados captados por Marconi e formalizados junto ao governo, este ano, somam quase R$ 4 bilhões injetados na economia goiana, além de geração de mais de 50 mil postos de trabalho diretos e indiretos. “É por meio da parceria entre setor público e privado que vamos vencer a crise, gerando emprego para a população”, afirmou o governador.

Emprego e renda
Em discurso, o governador destacou que Goiás celebra um investimento de quase R$ 500 milhões em meio à pior crise da história recente do País. “Isso não é comum. É por isso que estamos aqui para celebrar. Muito obrigado aos executivos e empresas por acreditarem em Goiás. Vocês estão gerando mais emprego e renda para os goianos. Somos gratos por isso. Daqui a um ano, mais trabalhadores terão condições de levar mais recursos para dentro de suas casas graças a vocês”, afirmou.

Ele ainda analisou o cenário macroeconômico e o impacto disso na economia goiana. “O PIB do Brasil encolheu 8,3% nos últimos anos. No mundo o cenário é um pouco diferente. Chile, Peru e Colômbia crescem 4% em média. A China dobra de PIB a cada 12 anos. Goiás não é uma ilha e sofre os efeitos dessa retração da economia brasileira. Mas mesmo assim temos juntado força, com o setor privado, para vencer essa corrente negativa. Um exemplo disso está aqui”, afirmou.

Marconi lembrou dos primeiros resultados dessa articulação entre governo e setor privado para melhoria da qualidade de vida dos goianos. Goiás acumula, nos dez primeiros meses deste ano, o título de segundo maior gerador de empregos, como reflexos do ciclo de prosperidade vivenciado pelo Estado, desde que assumiu em 1999. “É por isso que quero dedicar esse momento aos investidores que acreditam no nosso Estado e no nosso governo”, afirmou.

Lembrou da importância da injeção de novos recursos no Estado. A venda da Celg, disse, vai proporcionar melhorias na eficiência energética do Estado e garantir injeção de recursos para melhoria da infraestrutura: “Isso significa aumento do poder de produção das empresas. Vamos vencer a crise. Terminamos esse ano com resultados melhores. Vamos ter em 2017 resultados muito melhores”.

Empresas
As cinco empresas que assinaram protoloco de intenções com o Governo do Estado hoje vão atuar nos setores alimentícios, fármacos, confecções e implementos agrícolas e começam a instalar suas unidades de produção em 2017. O grupo Coteminas, fundado pelo ex-vice-presidente da República, José de Alencar, e com e com sede em Montes Claros (MG), anunciou um investimento de R$ 300 milhões em Acreúna, no Sudoeste goiano.

O vice-presidente do grupo, Pedro Garcia Bastos Neto, que falou em nome de todos os empresários que anunciaram os investimentos hoje, afirmou que uma unidade de processamento de tomate, milho e amendoim em Acreúna vai gerar 1,5 mil empregos diretos e 4,5 mil indiretos. “José de Alencar, que faleceu em 2011, dizia que o mais importante não são as paredes de uma empresa, mas os seus funcionários. O povo goiano faz a diferença e por isso decidimos nos instalar aqui. O governador sempre disse que Goiás estava de braços abertos”, enfatizou.

Marconi disse que o Estado ainda continua pronto para receber mais investimentos do grupo. “José de Alencar nos prometeu em 2004 que traria a Coteminas para cá, durante entrega da Comenda Anhanguera, na cidade de Goiás. O seu filho, Josué Alencar, assumiu o compromisso do pai. Agora vocês estão aqui. Obrigado, muito obrigado”, afirmou.

A Dudalina, indústria de confecções de camisas com matriz em Blumenau (SC), anunciou investimento de R$ 3 milhões na construção do seu centro de distribuição em Aparecida de Goiânia. Serão gerados 200 empregos diretos. As negociações entre o governador Marconi Perillo e os executivos do grupo Restoque, proprietária da marca Dudalina, acontecem desde o ano passado. Em reunião no Palácio das Esmeraldas em setembro deste ano, ficou acertado que o investimento será em duas etapas: a primeira, com o centro de distribuição anunciado hoje; e, a segunda, com a construção de uma unidade de produção.

A goiana Bio Scie Indústria e Comércio de produtos farmacêuticos, por sua vez, anunciou mais R$ 47 milhões para a construção de uma filial em Anápolis. Serão gerados 500 empregos diretos e 1,5 mil indiretos, com a transferência de tecnologia de ponta dos Estados Unidos e Coreia do Sul.  Já a Kamal Alimentos vai se instalar em Jandaia, com investimento de R$ 12 milhões e geração de 60 empregos diretos e 180 indiretos. A Farmtrac, que prevê início imediato da construção da unidade de máquinas e implementos, investirá R$ 75 milhões com a geração de 250 vagas.

Marconi lembrou que todas as unidades contam com contrapartidas legais de incentivos fiscais dos programas do Estado, como o Produzir e parcerias com o FCO, além do apoio do Estado e das prefeituras. “Podem continuar investindo. Não importamos se vier mais. A SED é ágil e rápida. Queremos trazer o empresário para cá. Boa sorte a todos.”

Desenvolvimento
Secretário de Desenvolvimento Econômico, Luiz Maronezi avaliou que estes investimentos vão impulsionar o desenvolvimento não só dos municípios aonde vão se instalar, mas de todas as regiões. O presidente da Federação das Indústrias do Estado de Goiás (Fieg), Pedro Alves, disse que ver empresários fazendo esses investimentos, neste momento, não deixa dúvida de que 2017 será melhor. “Nosso Estado é pujante e tem um governador que acredita que o crescimento econômico se faz junto dos empresários. O aumento das atividades econômicas vai ajudar a resolver o problema de caixa dos governos”, afirmou. Foto: Lailson Damasio

Edições Anteriores
Acesse as edições anteriores do Goiás Interior