Goiás Interior - A notícia como ela é !
×
Miguel Patrício -

UMA LOIRA, PELO AMOR DE DEUS!

Posso dizer que sempre fui comedido na questão amorosa. Respeitador antes de tudo, me relacionei bem com o sexo oposto nas vezes que me dediquei a um namoro mais sério, mas infelizmente ainda não encontrei a chamada pessoa ideal. Conheci mulheres morenas, mulatas, ruivas, só não tive a oportunidade de me relacionar com uma loira, ou seja, nas redes que armei ainda não caiu o peixe principal.

Não há como negar, as loiras são mesmo diferentes. Com um jeito sensual de andar, passam distribuindo simpatia. A pele clara em contato com o sol ganha aquele tom rosado que seduz qualquer vivente do sexo masculino. Parece que a boca fica mais vermelha convidando a gente para um beijo. Os cabelos amarelos são naturalmente o seu charme maior. Eles caem nas costas, vestindo de beleza, adornando aquele corpo que mais parece de boneca. E quando o vento surge e o espalha pelo rosto, também espalha pelas ruas sonhos e desejos.

As loiras têm um segredo, um feitiço ou coisa assim. Prendem a atenção de todos onde se encontra, por onde passa. Nas festas, é procurada e seguida pelos olhares. É disputada pela maioria dos homens, até aqueles que já têm compromisso. Alguém já viu uma loira solteira ou sem namorado por aí? Pois é, não existe. Se termina um romance, no mesmo dia aparecem inúmeros pretendentes para fazer a inscrição, almejando seus carinhos. Isso acontece até com as loiras falsas, aquelas mulheres inteligentes que pintam os cabelos sabendo que farão muito mais sucesso pela vida. Aliás, elas levam vantagem até na área profissional, pois quem não quer uma gerente, uma secretária, uma atendente loira tornando mais bonito e agradável o ambiente, enfeitando o seu dia de trabalho?
As mulheres casadas ou compromissadas de qualquer natureza sabem que, na árdua tarefa de vigiar o companheiro, é preciso tomar mais cuidado com as loiras. Claro que homens são por natureza sem-vergonha, qualquer uma serve, mas as loiras exercem um fascínio maior sobre eles, que não conseguem passar sem dispensar uma olhadela em direção àqueles cabelos, àquele corpo, àquele sorriso. Não conseguem dizer não se certo olhar emitir um vago convite. Vai feito um cachorrinho, alegre e obediente, cumprindo todas as ordens recebidas.

Pois é, minha rede continua estendida por aí, esperando que uma loira tropece e se embarace nela. Vivo tecendo esse momento. O amor que quero dar tem certo cheiro, certa cor, tem o tom alvo da pele; posso dizer que é dourado todo o meu amor. Aqui, em minha solidão, grito silenciosamente meu desejo: uma loira, pelo amor de Deus!

Edições Anteriores
Acesse as edições anteriores do Goiás Interior