Goiás Interior - A notícia como ela é !
×
Miguel Patrício -

INCOMPATIBILIDADE DE GÊNIOS

Não sei se acontece com você, mas comigo é assim: não consigo me afeiçoar como devia a todas as pessoas que conheço. Há sempre alguém que não me relaciono, tem alguma coisa que atrapalha, nossos santos não batem, há sempre alguém que não consigo engolir...

Já li a respeito e não encontrei uma explicação plausível, mas ouço dizer que uma pessoa pode nutrir por outra o que se chama de incompatibilidade de gênios, ou seja, não se dá bem com a maneira de ser desse semelhante, suas ideias, seu modo de agir, de falar. É uma explicação aceitável, já que é natural não se identificar com todo mundo; não se consegue agradar e nem ser agradável a todos. O problema é que comigo a coisa é mais profunda. Eu não vou com a cara da pessoa sem nem mesmo conhecê-la, sem saber suas intenções, sua filosofia de vida. Às vezes nem chego a ouvir sua voz e já me antipatizo com ela. Desde a primeira vez em que a vejo, faço a minha leitura e chego à conclusão de que ela não pode fazer parte de minha vida, do meu círculo de amizades, do meu grupo de mensagens pela internet. E aí até passo para o outro lado da rua quando ela surge lá na frente caminhando em minha direção.

Não é caso de discriminação ou coisa parecida, pois não me considero uma pessoa maldosa. Lógico, tenho meus erros, meus defeitos, mas como diz Antônio Marcos em uma de suas canções: “Eles são tão pequenos, dá pra perdoar”. E é por isso, ciente do meu bom coração, que me espanto; não consigo entender a minha repulsa a um semelhante sem haver motivo algum. Naturalmente a gente costuma se afastar um pouco das pessoas chatas, derrotistas ou que não sabem escolher um bom “papo”, mas a gente suporta em nome da boa educação. Particularmente detesto as pessoas “grudentas” que, ao te encontrar, não se contentam com um “olá”, é preciso que a gente pare, pegue na mão, responda a alguma pergunta banal, ouça uma anedota, antes de conseguir se desvencilhar do assédio e ir embora. Porém, até com essas, costumo dispensar um pouco de minha atenção, tento aperfeiçoar nesses instantes a minha paciência. Não são dessas que eu falo. Isso não configura a incompatibilidade de gênios, ou pelo menos não é o tipo de antipatia a que me refiro.

Alguns mais entendidos dizem que esses casos provêm de outra vida, de uma existência passada em que algum atrito, alguma desavença aconteceu entre essas pessoas e que, por coincidência ou não, se encontram novamente agora. Pode ser, não duvido. Mas não é estranho? Como pode a gente não gostar de alguma pessoa sem nem mesmo conhecê-la um pouquinho? Mas acontece e aposto que, neste momento, vários rostos passam pelo seu pensamento, rostos que você não gostaria de ver em sua frente nem mesmo pintados de ouro.

Edições Anteriores
Acesse as edições anteriores do Goiás Interior