Goiás Interior - A notícia como ela é !
×
Artigo -

Diários de Uma Bicicleta V - A Batalha Interior!

Diários de Uma Bicicleta V - A Batalha Interior!

 

Patrick pedalando pela trilha pergunta a seu Mestre que o acompanhava em outra bicicleta ao seu lado:

- Mestre Paulo, porque é tão difícil seguir nossos sonhos?

- Os sonhos geralmente não tem uma lógica.

- Não me interessam só as coisas lógicas! Também me encantam as questões do desconhecido. Retrucou Patrick ainda sem compreender.

- Exatamente por isto é difícil seguir, não tem muita lógica e geralmente é desconhecido. Não é fácil seguir algo assim.

Paulo parou sua bicicleta tirou capacete e luvas e tomou um pouco de água. Patrick o acompanhou e juntos contemplaram a descida da serra que iriam enfrentar.

- Sinta a sensação que antecede nossa descida. Por acaso não te sobe um calor que vem das extremidades, subindo pelos ombros indo até a cabeça e descendo até o estômago, quando olha para esta descida cheia de curvas e que não sabemos onde acaba?

- Sim, mas junto com esta sensação vem um sentimento de curiosidade, de prazer, de vida! Não posso negar que gera sim certo desconforto, mas me inspira.

- Patrick, sonhos são confusos, nebulosos, desconectos. Nunca sabemos onde vai chegar. Às vezes é um belo sonho, outras pode ser um pesadelo que se inicia disfarçado de sonho.

- Temo muito os pesadelos Mestre Paulo.

- Não é só Você Patrick. Na maioria dos casos sentimos um medo que nos encolhe e que nos inclina a escolher não sonhar, simplesmente para não corrermos o risco de perturbar a noite de sono. Preferimos dormir em paz, e acordar no outro dia com a mesma sensação de paz e adoramos seguir o dia também em paz. Sem perceber que tanta Paz, faz despertar em seu interior uma guerra, que acaba sendo a maior batalha de sua vida. A Batalha Interior!  Nesta Batalha, parte de Você está buscando seus sonhos e outra parte buscando o aconchego da rotina diária. Só ao sabermos da existência desta Batalha conseguimos nos posicionar e então decidir o que realmente queremos. Isto acontece quando Você se dispõe ao combate. Combates não são fáceis... Daí a dificuldade de seguir os sonhos...

- Sim Mestre, mas ainda não compreendo, respondeu Patrick subindo em sua bike para iniciar a descida da Serra. Mestre Paulo também se equipou novamente e disse;

- Tendo se disposto ao Combate, não se iluda, na maioria das vezes a Paz vence, afinal em última instância é sempre o que buscamos, e então se instaura um ciclo vicioso que o acompanhará por toda sua trilha. A vitória da Paz sempre será fugaz, e então virá novamente a Batalha Interior. Aí está o grande Paradoxo dos sonhos: Para se ter Paz, Você precisa se dispor à guerra e só quando vencer a Batalha Interior poderá viver sua Lenda Pessoal.

- Realmente é paradoxal. Preciso provocar uma guerra para me sentir em Paz?! Insistiu Patrick pensando melhor sobre descer ou não descer aquela serra.

- Sim Meu jovem, para que a Borboleta possa experimentar a beleza da natureza e a liberdade de voar, ela precisa antes se enclausurar em seu casulo, durante o tempo que for suficiente para se desprender de todas as amarras daquele jeito velho de viver rastejando, até que se sinta preparada para esta libertação.

- Começo a compreender Mestre. Respondeu Patrick dando sinais claros de maior vivacidade em seu olhar, e agora já empunhando com mais força e confiança sua bicicleta para a grande ladeira.

- Sabe Patrick, por outro lado, em algumas situações nos acostumamos tanto com nossos sonhos que inconscientemente escolhemos não realizá-los. Passamos a gostar de sonhar estes sonhos, e novamente nos deparamos com nosso temor ao desconhecido e ficamos aflitos só em imaginar a possibilidade das coisas serem diferentes daquilo que planejamos e assim achamos que é melhor viver estas experiências no plano dos sonhos onde toda história é contada somente conforme nossas expectativas. Criamos e controlamos todo enredo. Além do que realizá-los pode significar não ter mais o que sonhar, e gostamos também de sonhar.

- Me parece uma grande armadilha Mestre Paulo, mas acho que entendi. Devo sonhar, mas não devo gostar de sonhar, e sim de realizar os sonhos.

- Exatamente Patrick, disse o Mestre feliz com a evolução de seu jovem discípulo. O segredo reside em se permitir sonhar e tendo gostado do que viu neste plano que a priori se mostra desconecto e nebuloso, mergulhe fundo, enfrente o desconhecido, encare a escuridão de frente, Combata a Batalha Interior sem muito exitar para não acostumar com a aconchegante companhia deste sonho só no plano do invisível. Só então terás muitos momentos de Paz. Muitos combates também virão. E então chega um mágico momento onde inclusive os combates geram uma sensação de Paz. Nesta hora Você se torna um Grande Guerreiro e nem sonhos e nem batalhas te impedirão de Ser Feliz!

- Vamos? Mestre Paulo deu uma forte pedalada entrando na descida. Patrick o seguiu, já quase sem medo...

 

Fabrício Maurício de Oliveira, Psicólogo de 36 anos especialista em Gestão de Pessoas, Personal e Professional Coach. Enveredando ser escritor. fabricioliver@hotmail.com / http://batalhainterior.blogspot.com.br/

 

Edições Anteriores
Acesse as edições anteriores do Goiás Interior