Goiás Interior - A notícia como ela é !
×
Miguel Patrício -

NUMA DESSAS FOLCLÓRICAS CIDADES DO INTERIOR

O fato aconteceu numa dessas folclóricas cidades do interior, ricas em causos - às vezes trágicos, na maioria cômicos - que fazem a distração e a alegria dos habitantes. A data não há como precisar, mas já se vão uns bons 30 ou 40 anos. Vamos lá.

Um senhor tinha o costume de jogar regularmente na loteria federal. Toda semana comparecia à banca de revistas grudada na estação rodoviária para comprar o bilhete. Porco, elefante, veado... os bichos eram escolhidos respeitando-se um sonho revelador, um acontecimento sugestivo e até mesmo por pressentimento ou simples palpite. O jogo era feito, sem falta.

E atendendo ao ditado “Quem procura acha”, certo domingo a numeração se ajustou, os bichos consentiram e o homem ganhou o primeiro prêmio: alguns milhões de cruzeiros da época. Surgiu, no entanto, um impasse. O ganhador apresentava sério problema cardíaco. Todos sabiam de seu fraco coração, inclusive o dono da banca que conferiu o bilhete e foi o primeiro a se preocupar. Receoso que o sortudo pudesse não suportar a notícia, passou a incumbência ao compadre do fulano que imediatamente dirigiu-se à sua residência. No caminho, naturalmente, foi matutando uma maneira de contar a boa nova sem causar grandes danos.

Assim aconteceu. A visita, que era bem-quista, foi convidada a se sentar e logo um café cheirou e acompanhou a conversa. Após alguns rodeios, o recém-chegado tocou na ferida:

- Compadre, se acaso, algum dia, o senhor ganhasse uma bolada na loteria, o que faria com o prêmio?
O homem retirou o pito da boca, tossiu e respondeu:

- Bem, como aqui em casa todos temos grande consideração para com o senhor e sua família, eu daria com muito gosto a metade para o compadre.

A aturdida visita corou o semblante, seu olhar se esbugalhou, o queixo caiu puxando a dentada inferior, o sangue ferveu nas veias e correu inteiro para o coração que não suportou o baque. Com um ronco semelhante ao do bicho sorteado, debruçou-se pesadamente e sem vida sobre a mesa, tombando a xícara de café. Quem sabe ele também tinha problemas cardíacos, ou talvez não seja realmente fácil suportar certas emoções assim. Sei lá!

Edições Anteriores
Acesse as edições anteriores do Goiás Interior