Goiás Interior - A notícia como ela é !
×
Miguel Patrício -

MEU VASO SANITÁRIO

Há inúmeros pertences que valorizo, e poderia enumerá-los aqui demonstrando sua utilidade, alguns até de custo mais elevado. Entretanto nenhum deles tem a importância que dispenso ao meu... Bem, ao meu vaso sanitário. Ele mesmo, branquinho, limpinho, cheiroso, com tampa de almofada, coisa de primeiro mundo!

Meu vaso é companheiro diário, está sempre à minha espera, pronto para me receber. Quando abro a porta do banheiro, já vejo sua boca aberta para mim com todo tempo à disposição, mesmo quando chego com um jornal aberto na página de esportes ou uma revista de palavras cruzadas nas mãos. E mais: não reclama e nada conta a ninguém. É fiel aos meus bons e maus momentos. Cuido dele com carinho retribuindo seu apreço. Às vezes sento lá, sem uma real precisão, só para estar ao seu lado.

Na verdade, o ato número dois é sempre melhor em nossa casa. Quando a vontade chega e estamos em outro lugar, ficamos naturalmente constrangidos. O toalete é aberto cuidadosamente, com o mínimo de barulho possível, a tampa é suspensa quase que em câmera lenta. Ao sentar dá até para ouvir o estalo do joelho. Ficamos ali perdidos entre a preocupação de terminar logo o serviço e a necessidade de não causar qualquer ruído desagradável que possa revelar nossa presença ou o que realmente estamos fazendo. Passada essa fase, o papel higiênico é utilizado, mas nunca colocado no cesto; vai também para o buraco. Aí vem o momento da descarga revelando a todos, gritando para o mundo a nossa vergonha. Depois saímos enxugando o rosto, passando as mãos na roupa para disfarçar.

Durante uma viagem, seguro a barra enquanto posso, pois não dá para encarar com a bunda aqueles vasos sujos e fedorentos dos banheiros públicos. Tem vez que até me esforço na utilização para aguentar tranquilo mais alguns quilômetros de estrada. Limpo a beiradinha de um deles, sento, espremo, engrosso a veia do pescoço, mas em vão. Parece que comprimo o orifício e nada sai. Fico ali minutos assuntando o movimento dos passos entrando e saindo das outras latrinas, dá até para ler os versinhos da parede, e nem um punzinho acontece.

Não sei com vocês, mas quando tenho que passar um tempo maior distante de casa, a trabalho ou a passeio, acontece comigo algo interessante. Sem poder contar com meu vaso sanitário, a vontade demora aparecer. Já passei três dias seguidos sem “soltar o barro”, e alimentando naturalmente, talvez até mais. Cheguei a pensar que estava doente, mas logo entendi o que estava acontecendo: o problema era a saudade do meu vaso branquinho, limpinho, cheiroso...

Temos o costume de valorizar as coisas quando as perdemos ou quando estamos distante delas. Esse pecado não vou cometer com meu vaso sanitário. Obrigado, meu grande amigo!

Edições Anteriores
Acesse as edições anteriores do Goiás Interior