Goiás Interior - A notícia como ela é !
×
Miguel Patrício -

LADRÃO E BARATA

LADRÃO E BARATA

Há duas coisas que detesto: ladrão e barata. São seres nojentos e asquerosos. Eles se esgueiram pelos cantos escuros, apontam o nariz nas esquinas e aparecem, de repente, com seus olhos arregalados, em busca de algo que, às vezes, eles próprios não sabem o quê. As pessoas entram em desespero ao vê-los, e não é para menos: é horrível ser tocado por eles. Quando voam sobre a gente, não há como segurar um grito de pavor, e as pernas trêmulas quase nunca conseguem fugir a tempo.

Ladrão e barata têm uma paciência digna de elogios. Eles esperam o tempo necessário, e além, até que a “barra” esteja limpa, depois seguem pisando e levando consigo o que não lhes pertence. Entram em qualquer lugar, mexem em tudo e escondem-se imediatamente a qualquer ruído. Num mimetismo perfeito, cobrem-se do escuro da noite e, como se fizessem parte dela, tornam-se despercebidos aos olhares mais aguçados. Por fim vão embora, e seu cheiro e seu rastro ficam impregnados por onde passam.

Ladrão e barata são assim: têm um tamanho definido, mas apertam-se, encolhem a barriga, juntam as patas, comprimem-se e passam por buracos tão pequenos, mas tão pequenos... quem vê nem acredita. Não há chave que os segure. Passam por baixo, por cima, dos lados e no meio. Sozinhos ou em bandos estão por todas as bandas. Carregamos com a gente um eterno medo de encontrá-los. E se já recebemos, um dia, sua visita, o medo se multiplica, pois eles sempre voltam ao local do crime.

Quando chego em casa, olho em todos os cantos, pois eles podem estar escondidos esperando o melhor momento para o ataque. Revisto o guarda-roupa, atrás das portas, debaixo da cama, dentro da geladeira... Às vezes acordo de sobressalto, urro de medo e acendo a luz: é um deles arrombando as portas dos meus sonhos. A minha única satisfação é que não trabalham juntos – seriam uma dupla infernal – eles me atormentam um de cada vez.

Ladrão e barata são iguais em tudo. Quase tudo. Há quem protege um deles. Há sim!

Miguel Patrício é professor, escritor, ator e radialista, miguelpaodemel@gmail.com

Edições Anteriores
Acesse as edições anteriores do Goiás Interior