Goiás Interior - A notícia como ela é !
×
Miguel Patrício -

AS ROSCAS DAS TAMPAS

Inúmeros costumes nos acompanham vida afora, hábitos adquiridos no compasso lento do tempo e, por isso, tornam-se resistentes, difíceis de serem mudados. Muitos, no entanto, são desnecessários e devem ser descartados de nosso cotidiano. Ultimamente tenho lutado contra um deles: a prática frequente de apertar as roscas das tampas. Com receio de desprender e deixar cair o conteúdo de uma garrafa ou outra vasilha qualquer, a vida toda apertei em demasia as tampas; depois dava um trabalho danado retirar, tanto que às vezes era necessário utilizar uma ferramenta adequada.

Parece ser algo banal, mas não é. Quando possível, é bom simplificar nossas atitudes e facilitar o desenvolvimento do processo; ganhar tempo, sempre que puder, para depois utilizá-lo em algo produtivo. Nas relações humanas, por exemplo, quanto mais você aperta as roscas das tampas o caso fica mais complicado. Uma amizade verdadeira se consegue sem amarras, sem cobranças. Com menos exigências ganha-se o retorno esperado. A tampa deve ser torcida para demonstrar cuidados, mas sem dificuldades nem embaraços.

Não é algo banal. O romance é mais sadio e duradouro quando for regado diariamente com gotas de liberdade. Sem prisões, a presença é constante e, principalmente, espontânea. Uma boa companhia deve ser livre para ir e voltar, enroscar e desenroscar quando quiser, quando puder. Não há alegria no canto do pássaro destinado a viver no minúsculo espaço de uma gaiola. Somente beijos e abraços sabem apertar os laços desse relacionamento. A tampa gira no compasso do coração, e não pode ter arrochos.

Definitivamente não é algo banal. Filhos se revoltam e cortam vínculos sempre que as roscas da proteção e da estima estão muito apertadas. Não há rédeas que os segurem quando sentem tacanhos seus limites tendo um mundo tão imenso passando lá fora. Aí, mais cedo do que se espera, chegam as preocupações. A sugestão é criar um ambiente agradável para que se prendam a ele por vontade própria. A tampa deve ser torcida suavemente, com jeito, com carinho.

E até mesmo com você evite cobranças demasiadas. A busca pelas metas estabelecidas deve ser levada de forma inteligente sem que a paz e a alegria de viver se percam nos solavancos dos caminhos. É preferível chegar inteiro logo ali que alcançar aos pedaços uma marca recorde. Não seja contundente, evite ser radical. Sempre deixe para você uma opção de escolha. Não se esqueça de que os ingredientes da boa refeição devem ser a gosto. Não aperte muito as roscas das tampas. É bem melhor viver assim!

Edições Anteriores
Acesse as edições anteriores do Goiás Interior